sexta-feira, 30 de abril de 2010

Ateísmo: Uma Hipótese Falsa

Por Brian Colón

Vários ateus gostam de queixar-se que o teísmo, ao contrário do ateísmo, é infalsificável. Se isto é verdade, então quer dizer que o Ateísmo pode ser provado falso e o teimo não. Muitos ateístas consideram que este é um ponto forte para o Ateísmo e um ponto fraco para o Teísmo. O problema é desde que o Ateísmo PODE ser provado falso, então, SE ele FOR falso, então o Teísmo (sua negação) necessariamente seria provado verdadeiro. Quando existem apenas duas respostas possíveis para a proposição, e uma delas é falsa, a outra é necessariamente verdade. Considere a questão “Deus existe?”. Apenas duas respostas possíveis: “sim” e “não”. Se a resposta “não” for falsa, então a única resposta restante e alternativa é “sim”

A maneira que eu escolho para mostrar que o Ateísmo é falso é mostrando as contradições dentro da cosmovisão ateísta. Logicamente falando, se uma proposição contém conseqüências necessárias que são em si auto-contraditórias, então a proposição não pode ser verdadeira. Por exemplo, não há cadáveres vivos, não existem trabalhadores desempregados e não existe água desidratada.

De acordo com poucos ateus famosos, aqui são estão algumas conseqüências necessárias do Ateísmo: não há Deus; não existe nada além do universo físico (Dan Baker – Protest sign at the Washington State Capital); os seres humanos não são nada além de máquinas que geram DNA (Richard Dawkins – The God Delusion); a moralidade é fundamentada no consenso dos seres humanos (Gordon Stein – The Great Debate: Does God Exist?). Se isto é verdade, então seria impossível dar conta de coisas como absolutos morais, leis da lógica ou dignidade humana; três coisas que nós entendemos ser indiscutível.

Absolutos Morais
Cada ateu que já conheci acredita que o assassinato e o estupro são maus. Mas o que é o mal? Eu pensei que tudo que existisse fosse matéria. Existe alguma coisa má sobre a matéria? A faca usada para matar alguém? Claro que não. Talvez o mal seja apenas alguma coisa que nós experimentamos como o que diminui a nossa felicidade. Isto não significaria que, desde que um estuprador aumenta sua felicidade quando estupra alguém, então estuprar uma pessoa seria considerado bom para ele? Quem diz que o julgamento moral de um estuprador defeituoso e o nosso não é?

Certa vez uma mulher atéia falou-me que ela ouviu que seu colega de trabalho estava enganando a sua esposa com outra mulher do escritório. Ela falou-me que ela estava ultrajada de quão imoral ele era e como ela havia perdido o respeito por ele. Eu perguntei a ela: “o que há de errado com o que ele fez? Por que o fato dele ser casado e transar com outra mulher é imoral?” Ela simplesmente disse: “isto é precisamente errado!” Eu concordo, mas eu gostaria de saber por que, no final das contas, isto é errado dado a cosmovisão ateísta?

Leis da Lógica
Considere a lei do “terceiro excluído” que diz que um proposição é, ou verdadeira ou falsa, não existindo uma terceira opção. Qual o fundamento ontológico desta lei? Será ela resultado de funções químicas em nosso cérebro? Se sim, como pode ser universal? A lei é material? Claro que não! Leis da lógica são entidades imaterias abstratas; as muitas coisas que não podem existir se a única coisa que existe é a matéria.

Dan Baker, em um debate com Dr. James White, tentou refutar este argumento dizendo que a “lógica não é uma coisa”. Bem, se por coisa ele quer dizer objetos físicos, então eu concordaria com ele. O problema é que ele já disse que coisas são tudo que existe. Então, de acordo com Dan Baker, não existe lógica.

Dignidade Humana
Por que as pessoas põem um jaleco e argumentam que as pessoas são simples animais evoluídos e, então, dizem que nós não podemos tratar as pessoas como animais? Se tudo o que existe é matéria, então isto quer dizer nós não somos nada, mas matéria também. Se isto é verdade, então por que nós cremos que humanos são dignos de respeito? Em um debate com Paul Manata, Dan Baker afirmou que os seres humanos não são mais importantes que um brócolis. Achei muito interessa que o pedaço de brócolis chamada Dan Baker pense que outros pedaços de brócolis são dignos de amor e respeito, como se eles fossem algo mais do que apenas brócolis. Todos os dias tratamos os outros com respeito e dignidade, e, quando sabemos que alguns desrespeitam, dizemos que não podem fazer isto. Isto é verdadeiro tanto para teístas quanto para ateístas. Os humanos, verdadeiramente, são dignos de respeito. Isto é inexplicável na cosmovisão ateísta.

Conclusão
O Ateísta é pronto em reconhecer absolutos morais, leis da lógica e a dignidade do ser humano. Três coisas que não podem existir na Cosmovisão do Ateísta. Então a pergunta é: por que o Ateísmo está em contradição com sua própria cosmovisão? A resposta é obvia: porque, como vimos, a proposição “Deus não existe” acarreta conseqüências impossíveis.

Existe, porém, outra cosmovisão que é capaz de dar conta destas coisas que o ateísta não poder dar: o Teísmo Cristão. Na base do Teísmo Cristão, absolutos morais fazem sentido porque Deus é oferecido como o padrão de moral absoluta. Entidades imateriais, atemporais, transcendentes tais como as leis da lógica, fazem sentido porque elas podem ser fundadas em um Deus imaterial, atemporal e transcendente. Dignidade humana faz sentido porque os humanos são criados à imagem do único ser digno de honra e louvor, Deus.

O Ateísmo é inadequado e incapaz de explicar nossa experiência do mundo em nossa volta. O ateísmo, portanto, não pode ser verdadeiro. É por isso que eu concluo que a melhor prova da existência de Deus é a impossibilidade [da prova] do contrário.

Fonte: Know Its True Blog

Traduzido por Gaspar de Souza

quinta-feira, 29 de abril de 2010

PAULO E O "PARADOXO DE EPIMÊNIDES"


O Paradoxo de Epimênides: Uma Discordância Lógica em Tito 1.12? Por Apologetics Press

Paulo era um homem de muita educação. Ele foi treinado por um mestre judeu muito respeitado: Gamaliel (Atos 22.3; 5.34). Paulo conhecia não apenas a Escritura e a literatura judaica, mas também a literatura grega clássica. Enquanto discursava para um grupo de filósofos epicureus e estóicos em Atos 17.22 – 34, Paulo, no verso 28, cita a Cretica de Epimênides (“porque nele vivemos, e nos movemos e somos) e o Phaenomena de Arato (porque somos sua geração), usando estes dois poetas para estabelecer seu ponto. Em 1 Coríntios 15.33, Paulo cita a comédia de Menandro, Thais (as más conversações corrompem os bons costumes). Sem dúvidas, alguns críticos têm sugerido que o Apóstolo, quando falou a Tito acerca de sua missão na ilha de Creta, cometeu uma falácia lógica ao citar o poeta cretense Epimênides: “um deles, seu próprio profeta, disse: os cretenses, sempre mentirosos, bestas ruins, ventres preguiçosos. Este testemunho é verdadeiro”(Tito 1.12, 13a).

Esta é uma forma de paradoxo lógico conhecido comumente com o “Paradoxo de Epimênides”: “Um cretense disse: ‘todos os cretenses são mentirosos’”. Se, como Paulo afirma, este enunciado é verdadeiro, então o enunciado é falso, já que um cretense mentiroso o fez. Estas afirmações – que o enunciado é verdadeiro e o enunciado é falso – se contradizem e violam a Lei da Não-Contradição, já que um enunciado não pode ser verdadeiro e falso ao mesmo tempo. O apologista islâmico M.S.M Saifullah declarou, sobre Tito 1.12: “o escritor Paulo, pelo menos nesta ocasião, não teve a Orientação Divina, já que não percebeu a sutiliza”(Saifullah, 1999). Qual é a resposta cristã a este ataque contra a infalibilidade da Palavra inspirada?

O primeiro passo para entender esta suposta contradição é levar em consideração que Epimênides era um poeta. Os poetas, dramaturgos e outros escritores, algumas vezes usam uma técnica literária conhecida como hipérbole, que é uma exageração deliberada usada para argumentar. Dizer que os cretense são “sempre mentirosos, bestas ruins, glutões ociosos” é dizer que a sociedade cretense como um todo era imoral e decadente, não necessariamente que cada indivíduo na sociedade era um mentiroso, uma besta ruim e um preguiçoso. Não existe paradoxo quando se considera a hipérbole encontrada em Tito 1.12. Epimênides havia feito um enunciado exagerado acerca da conduta do povo de Creta, e Paulo estava citando-lhe para mostra a Tito a dificuldade que enfrentavam os presbíteros cretenses. Paulo não estava afirmando uma contradição, mas estava seguindo um costume literário. Mais uma vez, a Bíblia resplandece como um livro inerrante que permitiu que os estilos de escritas dos autores permanecessem intacto, enquanto manteve a integridade da Palavra inspirada de Deus.

REFERÊNCIAS
Saifullah, M. S. M. (1999), “Epimenides’ Paradox: Was Paul Inspired?,” Islamic Awareness

Fonte: Apologetics Press

Traduzido, da versão espanhola, por Gaspar de Souza

FANATISMO RELIGIOSO -

Mulher mata e esquarteja os pais para pagar o dízimo

Mulher matou o pai por eles terem se recusado a dar o dinheiro para pagamento do dízimo
Por Rodrigo Ribeiro Rodrigues
26/04/2010 14:27h

Mulher mata e  esquarteja os pais para pagar o dízimo Uma jovem de 24 anos assassinou dois idosos, seus pais adotivos, e ainda esquartejou seus corpos na manhã deste domingo, em Timon (MA).

Segundo a Polícia, Lineusa Rodrigues da Silva teria matado Joana Borges da Silva e Lourival Rodrigues da Silva porque eles se recusaram a dar dinheiro a ela. O crime ocorreu por volta das 8 horas da manhã, na Vila Angélica, na cidade maranhense.

Um machado e um pedaço de pau foram os instrumentos utilizados no duplo homicídio.

Ao prestar depoimento à delegada Wládia, da Central de Flagrantes de Timon, a acusada declarou que precisava do dinheiro para pagar o dízimo de sua igreja.

Segundo vizinhos, Lineusa é evangélica fanática e possui distúrbios mentais.

O crime chocou a cidade de Timon neste final de semana. Segundo a delegada, o pastor da igreja Universal será investigado.

De acordo com a delegada Wládia Holanda, que recebeu o caso na Central de Flagrantes, disse que Lineuza teria cometido o duplo homicídio qualificado por fanatismo religioso. “Ela teria débitos de dízimos da Igreja Universal e extorquia os pais para pagá-los, como eles se negaram, era teria praticamente premeditado o crime”, destaca a delegada.

Delegada

A delegada confirmou ainda que a acusada apresenta indícios de que tenha problemas mentais. “Só um médico pode atestar concretamente. Como o caso foi encaminhado para a Delegacia de Homicídios, o delegado de lá pode pedir o exame de sanidade mental”, explicou Wládia Holanda.

Ela afirmou que além da acusada, outras pessoas também prestaram depoimentos. E o pastor da Igreja, que já foi identificado, também será investigado.

O crime foi considerado pelos próprios policiais como "selvagem e bárbaro". O corpo do pai foi encontrado com a face achatada por um golpe de machado na sala, da residência onde os três moravam juntos, na Vila Angélica. A mãe, que é cadeirante e estava deitada, não pode se defender, das facadas que a filha desferiu. Dona Joana teve o tórax aberto pelo serrote.

Lineuza ainda mutilou os corpos, cortando braços e pernas dos pais. O crime aconteceu na madrugada, mas os vizinhos só encontraram os idosos por volta das 9 horas. A estudante que havia fugido, foi encontrada pouco tempo depois pela polícia.

Material utilizado

Veja o Vídeo:




Fonte: O Galileu e Púlpito Cristão

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Secretaria recolhe livro de educação sexual distribuído a alunos em Recife

Como denunciado aqui em nosso blog, agora também informamos a postura que a Prefeitura do Recife resolveu recolher todos as cartilhas de "pornografia infantil"(era isso que estava lá, não era?). Agora poderemos parabenizar a Prefeitura por sua atitude firme em protejer as nossas crianças. Parabéns aos Vereadores do Recife por sua disposição em vigiar os descalabros que, porventura, alguns dirigentes desejam implantar sorrateiramente.
______________________________

FÁBIO GUIBU
da Agência Folha, em Recife

A Secretaria da Educação de Recife (PE) determinou o recolhimento de um livro de educação sexual distribuído a alunos da 4ª e 5ª séries da rede municipal de ensino. A decisão foi tomada ontem, devido a reclamações de pais de alunos, que consideraram a obra "obscena".

O livro, "Mamãe, como eu nasci?", recebeu críticas pela linguagem utilizada e também por possuir ilustrações polêmicas, como as de um menino e uma menina se masturbando.

"Essa obra é uma afronta, é inadequada e constrangedora", disse o vereador André Ferreira (PMDB), autor do pedido de recolhimento do livro. "A cartilha tem palavras e figuras grosseiras, que não ensinam, e sim, incentivam as práticas sexuais", afirmou.

No trecho em que trata da masturbação, a obra diz que "alguns meninos gostam de brincar com seu pênis e algumas meninas com a sua vulva, porque é gostoso". Afirma em seguida que "as pessoas grandes dizem que isso vicia ou 'tira a mão daí que isso é feio'".

"Só sabem [os adultos] abrir a boca para proibir. Mas a verdade é que essa brincadeira não causa nenhum problema", continua o texto, aconselhando em seguida: "Não se esqueça: essa brincadeira que dá uma cosquinha muito boa não é para ser feita em qualquer lugar. É bom que você esteja num canto, sem ninguém por perto".

Segundo a Secretaria da Educação de Recife, a obra fazia parte de um kit de publicações paradidáticas, com seis títulos, entregues aos estudantes da rede pública municipal.

O livro polêmico estava em 550 kits destinados a um grupo de alunos com idades entre 8 e 10 anos. Segundo a diretora-geral de ensino e formação docente da Secretaria Municipal da Educação, Luisa Albuquerque, o recolhimento da obra é "preventivo, e não definitivo".

"Vamos promover palestras com famílias e professores. Depois, quem desejar receber o livro, receberá. O restante será entregue às bibliotecas", declarou a diretora-geral.

Para a pedagoga e psicóloga Silvana Oliveira, integrante do grupo de trabalho em orientação sexual da Secretaria da Educação de Recife, o livro não incentiva a prática sexual, nem tem problemas de conteúdo ou de abordagem dos temas. "O que existe nele é orientação e esclarecimento", afirmou.

Fonte: Folha Online

terça-feira, 27 de abril de 2010

Livro que compara psicanálise a homeopatia causa polêmica na França

Michal Onfray é um ateu, cujos ataques virulentos à Religião já foi tema de entrevista na Revista Veja (pode ser visto aqui). A matéria abaixo é seu ataque à Psicanálise, ele compara-a com a Religião.
______________

Filósofo causa furor questionando capacidade de cura de disciplina 'que diz respeito a Freud e ninguém mais'


Um novo livro que acusa o pai da psicanálise, Sigmund Freud, de ser mentiroso, fracassado e defensor de regimes totalitários está criando polêmica na França.

De acordo com o filósofo francês Michel Onfray, autor de "Le Crépuscule d'une idole, l'affabulation freudienne" (O Crepúsculo de um Ídolo, a Fábula Freudiana), a psicanálise é comparável a uma religião e sua capacidade de curar as pessoas é semelhante à da homeopatia.

O livro começou a ser vendido nesta semana nas livrarias francesas, mas já havia começado a gerar controvérsia antes mesmo de sua publicação. Psicanalistas acusam Onfray de cometer erros e ignorar fatos para defender a sua tese.

'Necessidades fisiológicas'
O conhecido filósofo, que escreveu "Tratado de Ateologia" (publicado também no Brasil), acredita que Freud transformou seus próprios "instintos e necessidades fisiológicas" em uma doutrina com pretensão de ser universal.

Mas, para Onfray, a psicanálise seria "uma disciplina verdadeira e justa no que diz respeito a Freud e ninguém mais".

Onfray diz que Freud fracassou na cura de pacientes que ele mesmo atendeu, mas ocultou ou alterou suas histórias clínicas para dar a impressão de que o tratamento havia sido bem-sucedido.

Ele afirma, por exemplo, que Sergei Konstantinovitch, indicado por Freud como "o homem dos lobos", continuou fazendo psicanálise mais de meio século depois de ter sido supostamente curado por Freud.

E diz que Bertha Pappenheim, conhecida como "Anna O." e apresentada por Freud como um caso em que o tratamento contra histeria e alucinações funcionou, continuou tendo recaídas.

Durante um debate com a psicanalista francesa Julia Kristeva publicado esta semana no jornal francês "Le Nouvel Observateur", Onfray rejeitou a noção de que o método de Freud "cura todas as vezes".

"A psicanálise cura tanto quanto a homeopatia, o magnetismo, a radiestesia, a massagem do arco do pé, o exorcismo feito por um sacerdote ou uma oração diante da Gruta de Lourdes (onde há relatos de que Nossa Senhora teria aparecido)", afirmou.

"Sabemos que o efeito do placebo constitui 30% da cura de um medicamento", acrescentou. "Por que a psicanálise escaparia desta lógica?"

Dinheiro, sexo e fascismo
Além de questionar o método de Freud, Onfrey criticou sua personalidade e o apresenta como alguém que foi capaz de cobrar o equivalente ao que seriam hoje US$ 600 por uma sessão, e incapaz de tratar dos pobres.

O filósofo francês diz que acredita que Freud tinha preconceito contra homossexuais e com um interesse especial em temas como abuso sexual, complexo de Édipo e incesto, e que dormia com a cunhada.

Em termos ideológicos, Onfray defende a tese de que Freud flertou com o fascismo e diz que em 1933, ele escreveu uma dedicatória elogiosa para Benito Mussolini: "Com as respeitosas saudações de um veterano que reconhece na pessoa do dirigente um herói da cultura."

Ele afirma que o criador da psicanálise procurou se alinhar com o chanceler Engelbert Dollfuss, que instaurou o "austrofascismo" no país, e também às exigências do regime nazista.

'Ódio'
O livro gerou uma onda de troca de acusações e protestos nos círculos intelectuais da França.

A historiadora e psicanalista Elisabeth Roudinesco afirmou em artigo em "Le Nouvel Observateur" que o novo texto de Onfray está "cheio de erros" e "rumores".

Roudinesco acusou Onfray de ter tirado as coisas do contexto e afirmou que Freud "de maneira alguma apoiou o fascismo e nunca fez apologia dos regimes autoritários".

"Quando sabemos que 8 milhões de pessoas na França tratam-se com terapias derivadas da psicanálise, está claro que no livro e nas palavras do autor há uma vontade de causar danos", disse.

Em seu debate com Onfray, Kristeva defendeu a psicanálise como um mecanismo capaz de tratar de problemas como a histeria, o complexo de Édipo ou comportamento anoréxico ou bulímico, entre outros.

"Onfray nos insulta quando diz que a psicanálise não cura", escreveu o psiquiatra e psicanalista Serge Hefez no semanário "Le Point". "O que fazemos todos nós em nossos consultórios, centros de terapia familiar, conjugal, nossos hospitais (...) senão ajudar o sujeito a se converter em ator de sua própria história?"

Hefez disse que "a psicanálise cura, é um tratamento útil e vivo praticado por milhares de terapeutas conscienciosos que conhecem fracassos, sucessos parciais e sucessos."

Onfray respondeu que várias reações contra seu livro evitam responder seus argumentos centrais e, em um artigo publicado no jornal francês "Le Monde", perguntou se era impossível fazer uma leitura crítica de Freud.

"Com este livro, alguns amigos haviam me adiantado o ódio porque me metia com o bolso", escreveu. "Hoje eu me dou conta do quão certos estavam."

Fonte: G1

EDUCAÇÃO SEXUAL OU PORNOGRAFIA INFANTIL?


Um caso semelhante já havia sido denunciado em São Paulo. A Secretaria de Educação do Estado, em material didático para crianças de 6 e 10 anos, publicara informações sobre "educação sexual"(?), que mais se aproximava de pornografia infantil. Assim também fez o Ministério de Saúde, sob a gerência do Gomes Temporão, com o "kit pornográfico".

Pois bem, como aqui trazemos tudo de fora (até sotaque!), a Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco achou que as frases (perdoem-me por citá-las) abaixo são consideradas temas de "educação sexual" (Se é assim que eles estão ensinando aos seus filhos em casa eu não sei; mas quero protejer os meus - Homeschooling já!).

“O pênis do papai fica duro. E o papai acha muito gostoso”.

“Os homens gostam quando o seu pênis fica duro”.

“Alguns meninos gostam de brincar com o seu pênis, e algumas meninas, com a sua vulva, porque é gostoso”.

“As pessoas grandes dizem que isso vicia” ou ‘tira a mão daí que isso é feio”.

“Só sabem abrir a boca para proibir, mas a verdade é que essa brincadeira não causa nenhum problema. Você só tem que tomar cuidado para não sujar ou machucar porque é um local muito sensível”.

O "livro"(?) foi escrito pelo sexólogo Marcos Ribeiro, com curso de Educação Sexual pelo Centro Nacional de Educacíon Sexual ( Havana, Cuba), foi tema de debate na Câmara dos Vereadores do Recife, quando alguns pais de alunos procuraram o Ver. André Ferreira (PMDB).

Outros vereadores de partidos diferentes também foram à Tribuna e deram seu parecer. “Acredito que nenhum vereador desta Casa vai concordar com o conteúdo da cartilha. Educação sexual é uma coisa, o que está aí é outra”. “Tenho certeza que o prefeito João da Costa não sabia deste material, mas é preciso saber a origem deste erro e responsabilizar quem fez isso”, disse o petista Josenildo Sinesio.

"Como mãe, pediatra e vereadora, estou estarrecida com o que este livro apresenta e como os professores estão passando isto para os alunos” [...] Estão despertando a sexualidade antes da adolescência. Estas informações para crianças de 6 a 10 anos afrontam todos os nossos princípios morais, a ética e a educação”falou a Vereadora Vera Lopes (PPS).

Mas, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o conteúdo da cartilha bem pode ser enquadrado no artigo 53, parágrafo único:

"É direito dos pais ou responsáveis ter ciência do processo pedagófico, bem como participar da definição das propostas educacionais"(grifos meus).

Ainda o artigo 58 declara: "No processo educacional respeitar-se-ão os valores culturais, artísticos e históricos próprios do contexto social da criança e do adolescente, garantindo-se a estes a liberdade da criação e o acesso às fontes de cultura". O que deve se dizer da imagem abaixo, contida no "Guia para Leitura do Livro", à luz dos artigos em seguida:

Art. 78. As revistas e publicações contendo material impróprio ou inadequado a crianças e adolescentes deverão ser comercializadas em embalagem lacrada, com a advertência de seu conteúdo.

Parágrafo único. As editoras cuidarão para que as capas que contenham mensagens pornográficas ou obscenas sejam protegidas com
embalagem opaca.

Art. 79. As revistas e publicações destinadas ao público infanto-juvenil não poderão conter ilustrações, fotografias, legendas, crônicas ou anúncios de bebidas alcoólicas, tabaco, armas e munições, e deverão respeitar os valores éticos e sociais da pessoa e da família.

Os conselhos dos sábios diz: " Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele"(Prov. 26.6). Não é preciso ser sexólogo para que este tipo de educação contida na tal cartilha produzirá sexualidade precose. Crianças expostas à cenas e "conversas" ou mesmo sexualidade antes do seu desenvolvimento natural (cada coisa no seu tempo), ficam confusas sobre si, pois não têm estrutura simbólica do ato sexual e, portanto, não consegue processar tais informações.

Por isso, à luz do artigo 240 do ECA, prisão e, no mínimo, multa sobre os responsáveis por este descalabro.

Aos vereadores de Recife, especialmente ao Ver. André Ferreira que recebeu os pais e seu gabinete, meus parabéns pelo alerta e combate a este incentivo à pedofilia e pornografia infantil.

Mais informações:

Câmara Municipal do Recife

Folha de Pernambuco

postado por Gaspar de Souza

segunda-feira, 26 de abril de 2010

III SIMPÓSIO DARWINISMO HOJE


Já está em andamento o III Simpósio Darwinismo Hoje, promovido pela Universidade Mackenzie. O palestrante oficial deste terceiro simpósio é o Dr. Stephen Meyer, autor do livro Signature in the Cell: DNA and the Evidence for Intelligent Design. Meyer tem formação em Física e Geofísica. Obteve seu Ph.D em História e Filosofia da Ciência pela Universidade de Cambridge. O Dr. Meyer já desafiou o Dr. Richard Dawkins para um debate sobre Evolução e Intelligent Design, mas Dawkins fugiu (veja aqui).

As palestras são transmitidas pela Internet e podem ser vistas aqui. Posteriormente, como já em outras ocasiões, o Mackenzie disponibilizará os vídeos gravados para downloads.

A Universidade Mackenzie trouxe o Dr. Meyer que apresentará a primeira palestra sobre o tema do seu livro: "Assinatura na Célula: DNA e a Evidência para o Design Inteligente"". Você encontra a programação aqui neste link. Também participarão palestrantes Evolucionistas.

Abaixo o currículo de cada palestrante conforme informado na própria Mackenzie.

Sobre os Palestrantes



Dr. Diogo Meyer (Evolucionista) - possui graduação em Biociencias pela Universidade de São Paulo (1991), mestrado em Biociencias pela Universidade de São Paulo (1994) e doutorado em Integrative Biology, na University of California (2002). Atualmente é jovem pesquisador fapesp da Universidade de São Paulo, atuando principalmente nos seguintes temas: fiologeografia, genética de populações, evolução, especiação e evolução de genes HLA.


Dr. Henrique Paprocki (Evolucionista) - Possui graduação em Ciências Biológicas pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1993), mestrado em Entomologia pela Universidade de São Paulo (1997) e doutorado em Entomologia pela University of Minnesota (2007). Atualmente é professor assistente III da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, curador da coleção de Invertebrados do Museu de Ciências Naturais da PUC Minas e consultor ambiental da área de entomologia. Tem experiência na área de Zoologia, com ênfase em Zoologia Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: trichoptera, qualidade de água, indicadores biológicos.


Dr. Marcos Nogueira Eberlin (Design Inteligente). Graduação (1982), Mestrado (1984) e Doutorado (1988) em Química pela Universidade Estadual de Campinas e pós-doutorado no Laboratório Aston de Espectrometria de Massas da Universidade de Purdue, USA (1989-1991). Atualmente é professor titular da Universidade Estadual de Campinas. É membro da Acadêmia Brasileira de Ciências (2002) e comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico (2005). É vice-presidente da Sociedade Brasileira (BrMASS) e Internacional de Espectrometria de Massas (IMSS). Estuda a arquitetura química dos seres vivos, o que, objetivamente, significa, buscar explicações científicas para a origem da vida. Ele e sua equipe do Laboratório Thomson integram um projeto sobre a semelhança de organização das moléculas, a chamada homoquiralidade. A sua grande motivação para fazer ciência é entender como Deus cria as coisas, usando as próprias leis da química e da física e para ele, esse processo de separação dos aminoácidos e açúcares é a “assinatura química” que Deus deixou nos seres vivos.


Dr. Scott A. Minnich (Design Inteligente): Doutor em Biologia pela Iowa State University, pós-doutorado em Princeton. Atualmente é professor de microbiologia na Universidade de Idaho, Iowa. Defensor do Design Inteligente. Pertence a Sociedade Internacional para Complexidade, Informação e Design. Publica em várias revistas técnicas, incluindo Journal of Bacteriology, Molecular Microbiology, Journal of Molecular Biology, Proceedings of the National Academy of Sciences, Journal of Microbiological Método, Tecnologia Alimentar, e no Journal of Food Protection.


Dr. Stephen C. Meyer (Design Inteligente): Doutor em História e Filosofia da Ciência pela Universidade de Cambridge (dissertação sobre a história da biologia da origem da vida e da metodologia das ciências históricas), tem graduação em Física e Geologia. Atualmente é professor no Whitworth College, Estados Unidos, e diretor do Center for Renewal of Science and Culture no Discovery Institute (Centro para Ciência e Cultura do Instituto Discovery em Seattle). É um dos principais porta-vozes do Design Inteligente. Após graduar-se em física e geologia, trabalhou como geofísico para a companhia Atlantic Richfield. É co-autor de dois livros sobre design inteligente e darwinismo, Darwinismo, Desenho e Educação Pública (Michigan State University Press) e da Ciência e Provas de Design no Universo (Inácio 2000). Também escreveu inúmeros artigos técnicos, bem como editoriais de revistas e jornais como o The Wall Street Journal, The Los Angeles Times, The Houston Chronicle, The Chicago Tribune, First Things e National Review.


STALIN ESTÁ DE VOLTA (MAS DESDE SEMPRE NO GOVERNO LULA)

Eu ouvia a notícia na Rádio CBN. Falava sobre a Fraude cometida pelo site oficial de Dilma Rousseff. Mais uma mentira estava no rede. Já não bastava o currículo falso; já não bastava os, como dito na web, roubos a bancos; desta vez a equipe de Dilma falsifica rouba a história do Brasil. A informação consta lá no blog do Reinaldo:
___________________

A rede já desvendou a tramóia. Não se fala em outra coisa!

O lobo perde o pêlo (aqui, ainda com acento), diz o ditado popular, mas não perde o vício. E, como sua especialidade é fingir, apresenta-se, às vezes, como se fosse cordeiro. Os petistas retomam uma prática antiga da tirania stalinista para tentar bombar a biografia da “criatura eleitoral” de Lula. Vejam esta imagem publicada no blog oficial de Dilma Rousseff:

A rede já desvendou a tramóia. Não se fala em outra coisa!

O lobo perde o pêlo (aqui, ainda com acento), diz o ditado popular, mas não perde o vício. E, como sua especialidade é fingir, apresenta-se, às vezes, como se fosse cordeiro. Os petistas retomam uma prática antiga da tirania stalinista para tentar bombar a biografia da “criatura eleitoral” de Lula. Vejam esta imagem publicada no blog oficial de Dilma Rousseff:

dilma-falsa-biografiaEla ilustra uma biografia da pré-candidata cujo objetivo é demonstrar a sua participação em momentos importantes da história brasileira — e sempre ao lado da democracia, ora essa! Trata-se de uma montagem com supostas três imagens de Dilma: quando criança, numa passeata contra a ditadura e nos dias atuais. Tudo estaria certo não tivesse aquela imagem do meio sido retirada desta foto:

bengel-contra-a-censuraA personagem apresentada como Dilma Rousseff é, na verdade, a atriz Normal Bengel, participando da chamada Passeata dos Cem Mil, realizada no Rio, no dia 26 de junho de 1968. Da esquerda para a direita, aparecem na fila as atrizes Tonia Carrero, Eva Wilma, Odette Lara, Norma Bengel e Ruth Escobar.

Isto mesmo: o BLOG OFICIAL DE DILMA — não se trata de coisa da molecada da rede, não; isso foi criado por profissionais — fraudou a história para tentar emprestar alguma relevância à biografia da candidata.

A situação é tão vexaminosa, que a empresa contratada para fazer a campanha, a tal Pepper Interativa, divulgou uma nota. Vejam que primor:
O blog Dilmanaweb lamenta profundamente a interpretação equivocada da foto que traz a atriz Norma Bengell participando de uma passeata contra a ditadura.
Jamais houve a intenção de confundir a sua imagem com a de Dilma, o que seria estapafúrdio, ainda mais se tratando de uma figura pública. O que se busca, ali, é ressaltar um momento da vida do país do qual Dilma participou ativamente. Outras fotos do blog fazem referência a esse momento em que os brasileiros foram às ruas pedir o fim da ditadura.
Dilma participou de todas essas lutas. Elas fazem parte de sua vida e da vida de milhões de brasileiros. Lamentamos eventuais mal-entendidos que possam ter ocorrido e tomaremos providências para evitá-los.
Pepper Interativa

Atenção!
Entenderam? Roubam a imagem de Norma Bengell, apresentam-na como se fosse de Dilma, mas a responsabilidade, obviamente, é de quem entendeu “errado” a mensagem… A Pepper é a agência que emprega o tal Marcelo Branco, aquele cabeludo que está revolucionando a língua portuguesa em suas mensagens na Internet.

Dilma militou em três organizações terroristas stalinistas, isto é, inspiradas moral, intelectual e politicamente no tirano soviético Josef Stálin, um dos maiores carniceiros da história. A prática de fraudar fotos vem daquele tempo.

A exemplo dos petistas, Stálin também recontava a história segundo os seus interesses, apagando, literalmente, os seus inimigos e se atribuindo uma importância que não tivera. Vejam estas fotos e suas respectivas legendas. Volto em seguida.

Em 1920, Lênin discursa em frente ao teatro Bolshoi, em Moscou.  Fala aos soldados que vão lutar contra a Polônia. Ao lado do balcão, à  sua esquerda (direita da foto), de quepe, está Trotsky. Agora vejam...

Em 1920, Lênin discursa em frente ao teatro Bolshoi, em Moscou. Fala aos soldados que vão lutar contra a Polônia. Ao lado do balcão, à sua esquerda (à direita da foto), de quepe, está Trotsky. Agora vejam...

... o que aconteceu com a imagem depois que Trotsky foi banido da  União Soviética. Stálin mandou apagar a sua imagem. No arquivo oficial e  nos livros escolares, essa passou a ser a imagem  "verdadeira".

... o que aconteceu depois que Trotsky foi banido da União Soviética. Stálin mandou apagar a sua imagem. No arquivo oficial e nos livros escolares, essa passou a ser a foto "verdadeira". Vejam outro exemplo abaixo.

Ato comemora o seguno ano do golpe bolchevique na Rússia, chamado  de "revolução". Na foto da esquerda, sempre de quepe, Trotsky  aparece ao lado de Lênin. Depois que Stálin "corrigiu" o  passado, como fazem os petistas, seu inimigo desapareceu da história

Ato comemora o segundo ano do golpe bolchevique na Rússia, chamado de "revolução". Na foto da esquerda, sempre de quepe, Trotsky aparece ao lado de Lênin. Depois que Stálin "corrigiu" o passado, como fazem os petistas, seu inimigo desapareceu da história

Encerro
Os tempos são outros, mas a alma tirana é a mesma. A mitologia esquerdopata só se sustenta porque não reconhece a superioridade moral da verdade. Não fosse assim, não seria o próprio Lula a assaltar o passado e a biografia de seus adversários. Transformar Norma Bengell em Dilma Rousseff faz parte do PAM — o Programa de Aceleração da Mistificação. Trata-se apenas de um emblema de uma prática metódica.

Stálin, o fraudador-símbolo da história, metido a estudar lingüística (!), teria dito certa feita: “Fizemos a revolução, mas preservamos a bela língua russa”. Em tempos de Lula, Dilma e Marcelo Branco, caso a revolução petista seja consumada, nem isso se poderá afirmar sobre a “inculta & bela”.

Fonte: Reinaldo Azevedo

sábado, 24 de abril de 2010

"BISPA" PINGUÇA VAI PRESA


Margot Kaessmann foi detida sábado em Hanôver por conduzir com uma quantidade de álcool no sangue três vezes superior ao limite imposto pela lei. «Estou chocada comigo mesma», disse.

Kaessmann, nomeada como a primeira mulher chefe da Igreja Evangélica Alemã (DEK, na sigla alemã) no ano passado, já havia causado muito escândalo por ser divorciada e, dizem, homoafetiva. Uma “mistura de Madre Teresa e Demi Moore”, tornou-se hoje a primeira mulher a liderar a Igreja Protestante Alemã, que reúne cerca de 25 milhões de luteranos e calvinistas.

Ao ser detida, a princípio diz ter tomado apenas uma dose, mas depois descobriu-se que havia entornado uma garrafa, pelo menos.

De acordo com o tablóide alemão Bild, a líder máxima da maior denominação religiosa germânica conduziu o seu Volkswagen Phaeton sob efeito do álcool e passou pelo menos um sinal vermelho.

Margot pediu as contas e deixou o cargo após menos de 6 meses de mandato. Proust!

Resumo da ópera: A lambança é internacional e o Brasil é só mais um.

Fonte: Genizah Virtual

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Verme descoberto há 6 anos existe há 30 milhões, mostra fóssil

O Osedax foi descrito pela primeira vez há seis anos, em espécimes que viviam numa carcaça de baleia

Uma equipe internacional de pesquisadores, encabeçada pelo paleontólogo Steffen Kiel, da Universidade de Kiel, na Alemanha, encontrou os primeiros fósseis de buracos abertos pelo verme Osedax em ossos de baleia no fundo do mar. Os cientistas concluem que esses vermes já devoravam os ossos de baleias mortas há 30 milhões de anos. O resultado está publicado na edição desta semana do periódico Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

O Osedax foi descrito pela primeira vez há seis anos, em espécimes que viviam numa carcaça de baleia a 2.8921 metros de profundidade, na Califórnia. Desde então, paleontólogos vêm buscando evidências fósseis para determinar a idade da espécie.

Fragmento de fóssil de baleia, com as marcas deixadas pelos vermes há milhões de anos. Divulgação

Agora, pesquisadores do Instituto de Geociências da Universidade Christian-Albrechts de Kiel encontraram ossos de baleia de 30 milhões de anos com buracos e escavações que batem com os de Osedax vivos em forma e tamanho. A evidência de que os buracos e cavidades feitos por vermes contemporâneos foi fornecida por Greg Rouse, um dos descobridores da espécie.

Para que imagens precisas fossem feitas, os ossos foram submetidos a tomografia computadorizada. Os ossos fossilizados pertencem a um ancestral das baleias modernas. "A idade do nosso fóssil corresponde á época em que as baleias começavam a habitar o mar aberto", disse Steffen Kiel.

Fonte: Estadão Online

Evo Morales culpa frango de granja por homossexualidade e calvície

Meu comentário: riso, muito riso mesmo.......
____________________________________

Presidente afirma que 'hormônio' dado às aves afeta os homens e as mulheres

O presidente da Bolívia, Evo Morales, surpreendeu sua audiência ao assegurar que os frangos de produções industriais são responsáveis pelos "desvios" dos homens para a homossexualidade e para a calvície na Europa.

Na abertura de uma cúpula social que realiza em seu país para discutir a mudança climática, o líder boliviano atacou a criação intensiva de aves com essas afirmações e outras, sobre os supostos prejuízos à saúde da Coca-Cola e das batatas holandesas.

Segundo o mandatário, os frangos são engordados com hormônios femininos. "O frango que comemos está carregado de hormônios femininos. Por isso, os homens que comem esses frangos têm desvios em seu ser como homens", disse Morales a milhares de pessoas na abertura da Conferência Mundial dos Povos sobre a Mudança Climática e os Direitos da Mãe Terra.

Ele também acrescentou, às as consequências desse tipo de alimento, a calvície, e profetizou: "Em cinquenta anos, todo mundo será calvo". Segundo o presidente, esses dados demonstram que o "ocidente cada vez mais traz mais e mais veneno".

A ideia de que hormônios são adicionados às aves em criações comerciais é considerada um mito sem fundamento por especialistas.

Fonte: Estadão Online

Juiz decreta prisão preventiva do homem que diz incorporar espírito de médico

Foi decretada a prisão preventiva de Kleber Aran Ferreira, que diz incorporar o espírito do médico alemão Adolf Fritz. Ele é acusado do exercício ilegal da medicina e é considerado foragido da Justiça. Após decretada a prisão preventiva, o juiz encaminhou carta precatória para as delegacias de captura de todos os estados brasileiros, no dia 9 de abril deste ano.

O juiz Adjar Francisco recebeu ontem (19) a informacão da Delegacia de Capturas de São Luís (MA) que Kleber Aran não reside no último endereço que seu advogado forneceu à Justiça pernambucana, na cidade de São Luis. Além do exercício ilegal da medicina, Aran é acusado, mediante provocação do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco, dos crimes de infração de medida sanitária preventiva, falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produtos terapêuticos medicinais.

Caso - A primeira prisão preventiva decretada pelo juiz Adjar Francisco de Assis para Kleber Aran ocorreu no dia 26 de janeiro de 2009. Em outubro de 2008, Aran foi denunciado pelo Conselho Regional de Medicina de Pernambuco por não possuir inscrição no Conselho Nacional de Médicos do Cremepe. A partir das denúncias, a Polícia Civil de Pernambuco e uma equipe da Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária (Anpevisa) realizaram uma inspeção no Clube dos Ferroviários, na avenida Mascarenhas de Morais, onde Aran atuava. Foi constatado que, dizendo incorporar o espírito do médico alemão Adolf Fritz, Kleber Aran realizava consultas, cirurgias, e vendia uma espécie de chá para ser usado no pós-operatório. Em janeiro de 2009, quando foi decretada a prisão preventiva, o acusado estava atuando em outros estados brasileiros e não foi localizado.

De acordo com o juiz, a soma de todos os crimes atribuídos a Aran, totaliza cerca de 15 anos de prisão. Os crimes prescrevem em 20 anos.


Fonte: Folha de Pernambuco

sexta-feira, 16 de abril de 2010

FLEW vs DAWKINS

Além de debates públicos, participei de várias discussões polêmicas por escrito. Um exemplo dessas discussões foi a que tive com o cientista Richard Dawkins. Embora elogiasse suas obras ateístas, eu sempre criticara sua escola de pensamento do gene egoísta.

Em meu livro Darwinian Evolution, observei que a seleção natural não produz nada positivo. Apenas elimina, ou tende a eliminar, tudo o que não seja competitivo. Uma variação não precisa ter nenhuma real vantagem competitiva para evitar a eliminação. É suficiente que não sobrecarregue seu portador com uma desvantagem competitiva. Para usar uma ilustração bastante tola, vamos supor que eu tenha asas inúteis dobradas sob meu paletó, asas frágeis demais para me erguer do chão. Sendo inúteis, elas não me ajudam a escapar de predadores, nem a buscar alimento. Mas, como também não me deixam mais vulnerável a predadores, eu provavelmente sobreviverei para reproduzir e passar minhas asas a meus descendentes. O erro de Darwin, ao expor uma inferência demasia¬damente positiva com sua sugestão de que a seleção natural produz alguma coisa, foi, talvez, devido ao emprego que ele fez de expressões como "seleção natural" ou "sobrevivência dos mais aptos", em vez de sua própria e preferida "preservação natural".

Observei que O gene egoísta de Dawkins era um grande exercício de mistificação popular. Como filósofo ateísta, eu considerava esse trabalho de popularização tão destrutivo quanto O macaco nu ou A fauna humana, de Desmond Morris. Em suas obras, Morris oferece, como resultado de conhecimento zoológico, uma negação sistemática de tudo o que é mais peculiar a nossa espécie, vista como fenômeno biológico. Ele ignora as óbvias di¬ferenças entre os seres humanos e as outras espécies, não dando explicações para elas.

Dawkins, por outro lado, batalhou para diminuir ou depreciar o resultado de cinqüenta ou mais anos de trabalho em genética: a descoberta de que as características observáveis de organismos são, na maior parte, condicionadas pelas interações de muitos genes, enquanto a maioria dos genes tem múltiplos efeitos sobre muitas dessas características. Para Dawkins, o principal meio de produzir comportamento humano é atribuir aos genes características que possam, de modo significativo, ser atribuídas apenas a pessoas. Então, depois de insistir em que todos nós somos criaturas de nossos genes, e que nisso não temos escolha, ele sugere que não podemos fazer outra coisa a não ser aceitar as características pessoais desagradáveis daquelas mônadas que tudo controlam.

Os genes, naturalmente, não podem ser egoístas, nem altruístas, assim como nenhuma outra entidade sem consciência pode envolver-se em competição ou fazer seleções. Seleção natural é, notoriamente, não-seleção, e um fato lógico, um pouco menos conhecido, é o de que, abaixo do nível humano, a luta pela existência não é "competitiva" no verdadeiro sentido da palavra. Mas isso não impede Dawkins de proclamar que seu livro "não é ficção científica, mas ciência. Somos máquinas de sobrevivência, veículos robôs cegamente programados para pre-servar as moléculas egoístas conhecidas como genes". Embora mais tarde divulgasse algumas ocasionais retratações, Dawkins não emitiu nenhum aviso, indicando que suas palavras não deviam ser tomadas literalmente. E acrescentou, de modo sensacionalista, que "o argumento deste livro é que nós, e todos os outros animais, somos máquinas criadas por nossos genes".

Se alguma coisa disso tudo fosse verdadeira, seria inútil, como Dawkins faz, continuar a pregar: 'Tentemos ensinar generosidade e altruísmo, porque todos nós nascemos egoístas". Não há eloqüência que possa mudar robôs programados. Mas não há verdade em nada disso, nem mesmo um mínimo de sensatez. Os genes, como temos visto, não comandam, nem podem comandar, nos¬sa conduta. Tampouco têm a capacidade de calcular ne¬cessária para traçarem uma rota de implacável egoísmo ou de altruísmo sacrificial.

Fonte: FLEW, Antony. Um Ateu Garante: Deus Existe! São Paulo: Ed. Ediouro, 2008.

A IGNORÂNCIA SOBRE O CRISTIANISMO E COMO RESPONDÊ-LA

Por Gene Edward Veith Jr.

Um das melhores maneiras na qual os cristãos podem testemunhar a alguém hoje, tanto para os inimigos ativos quanto para o número bem maior de ignorantes e indiferentes, é simplesmente informá-los objetivamente do que se trata a crença cristã. Normalmente não é necessário discutir, envolver-se em discussões esotéricas profundas, ou até mesmo defender-se. Simplesmente explicar.

Quando o Cristianismo for acusado por ter promovido as Cruzadas, simplesmente diga: "Eu sou cristão, c nossa igreja não pede que conquistemos a Terra Santa". De um só golpe fica claro que as Cruzadas não são a essência da doutrina cristã. Quando alguém apresenta o problema do mal para contestar a existência de Deus (que, se ele é bom e todo-poderoso, não permitiria o sofrimento humano), apresente Jesus Cristo: "O Cristianismo ensina que Deus se tornou um ser humano em Jesus Cristo e que ele carregou o pecado humano e sofreu em nosso lugar". Pode ser que isso não resolva plenamente o problema, mas o complica de modo interessante e pelo menos esclarece a história.

Quando a Igreja é criticada por ser hipócrita, simplesmente explique como o Cristianismo é uma religião que se restringe a pecadores. (Isso coloca o crítico na posição incômoda de ser farisaico e fazer julgamento, as mesmas atitudes que ele está criticando na Igreja.) Quando o Cristianismo é atacado por rejeitar a realidade física, os prazeres comuns da vida e a dignidade humana, pergunte: "Como isso poderia ser possível, se as suas doutrinas centrais são que Deus criou o mundo e se fez carne, tendo vindo ao mundo físico como um ser humano?".

Do mesmo modo que é possível explicar o conteúdo da crença dos budistas, a crença dos pós-marxistas e dos pós-modernistas, pode-se explicar o conteúdo da crença dos cristãos. Isso pode ser feito sem proselitismo. Não é necessário argumentar em favor dessas posições e nem mesmo defendê-las. Basta declarar o que elas são. Você pode fazer isso numa escola pública. Não é contra as decisões do Supremo Tribunal. Você não está pedindo para ninguém acreditar na Encarnação ou na Redenção, mas simplesmente está explicando objetivamente o que essas expressões significam. Ninguém pode contestar. Ninguém irá negar que essas idéias sejam pelo menos histórica e culturalmente importantes e filosoficamente interessantes.

Os cristãos, às vezes, atraem o escárnio sobre eles mesmos e sobre a sua fé pelos seus sermões altos e emocionais nas salas de aula, pelas suas acusações defensivas e agressivas de "Blasfêmia!" ou "Doutrina satânica!" (O que você espera? Você está na Babilônia, não na igreja.) Testemunhar não significa ser uma testemunha de acusação. Também não é principalmente uma declaração de experiências pessoais, nem o resultado de uma longa discussão intelectual. A apologética tem a sua importância, mas o evangelho não é comunicado por meio de debates, ou por apelos eloqüentes, ou carisma pessoal, ou manipulação perspicaz (lCo 1.18-25), mas pela Palavra de Deus. Quando esta Palavra, a mensagem do Cristo crucificado, é apresentada, ela é eficaz e por si mesma pode criar a fé nos seus ouvintes.

Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.
Hebreus 4:12

De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.
Romanos 10.17

Daniel, o profeta inspirado, levou a Palavra de Deus para as cortes da Babilônia, uma palavra de poder que posteriormente faria com que Nabucodonosor, o conquistador do mundo, com toda a sua autoridade e todo o seu prestígio, dobrasse os seus joelhos (Dn 4), Os cristãos modernos também, armados com as Escrituras, têm o mesmo poder de sustentar a verdade contra todos os ataques.

Fonte: VEITH, Gene Edward. De Todo Teu Entendimento. São Paulo: Ed. Cultura Cristã, 2006, pp. 46, 47.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Pressuposição revelacional

Objetar ao cristão que a sua vida e a sua concepção da realidade se fundamentam em pressuposições de crença, supõe falta de rigor argumentativo: também os incrédulos, em todos os seus raciocínios partem de pressuposições de crenças. A diferença está na origem e na natureza destas pressuposições. As do cristão se fundamentam na informação e conteúdo da Revelação Divina, ou seja, na Bíblia; enquanto que para o incrédulo as pressuposições sobre as que edifica as suas elaborações e construções descansam em alguns pontos de partida que ele mesmo estabeleceu e aos que herdou - como resultado de uma fé humanística - como validade última. A questão, assim sendo, não é se um tem e outros não possuem pressuposições de crença, já que tanto crentes como incédulos as têm, mas o que é importante e decisivo saber qual é a origem destas pressuposições e que tipo de pressuposições de crença é capaz de elaborar uma resposta verdadeira aos enigmas e questões da realidade. Para o cristão a origem de suas pressuposições de crença é o próprio Deus - o Deus que fala e se revela -; e, no pressuposicionalismo bíblico fundamentado na revelação o cristão encontra a única e genuína resposta válida para todas as questões transcedentais sobre o seu próprio ser e acerca do mundo.


Extraído de David Estrada, La Biblia: el libro prohibido?, pág. 34-35

quarta-feira, 14 de abril de 2010

MORRE O EX-ATEU MAIS FAMOSO DO SÉCULO PASSADO

Antony Flew é, sem dúvida, o ex-ateu mais famoso desde o século passado. Em 2004 passou a abraçar uma forma de Teísmo (Deísta). Hoje de manhã recebi o link com a matéria. Assim que comecei a traduzir lá pelas 10h, o Eliel Vieira o traduziu. Um trabalho a menos; uma indicação a mais para o Apologia. Parabéns ao Eliel pela excelente tradução e contribuição. Abaixo o obtuário do Filósofo Antony Flew.
__________________________

Faleceu dia 8 de Abril, aos 87 anos, Professor Antony Flew – o filósofo racionalista que gastou a maior parte da sua vida negando a existência de Deus até que, em 2004, dramaticamente mudou sua mente.

flew_livro


Flew sempre descreveu a si mesmo como um “ateu negativo”, declarando que “proposições teológicas não podem ser ou verificadas ou falsificadas pela experiência”, uma posição que ele expôs em seu clássico Theology and Falsification [Teologia e Falsificação] (1950). Honrosamente a mais citada publicação filosófica da segunda metade do século XX.

Ele argumentava que qualquer debate filosófico sobre Deus deve se dar com a pressuposição do ateísmo, deixando o ônus da prova para aqueles que acreditam que Deus existe. “Nós rejeitamos todos os sistemas sobrenaturais transcendentes, não porque nós examinamos exaustivamente cada um deles, mas porque não parece a nós existir qualquer boa evidência racional para postular alguma coisa atrás ou entre este universo natural”, ele disse. Uma chave principal de sua filosofia era o conceito socrático de “siga a evidência, para onde quer que ela conduza”.

Quando Flew revelou que havia chegado à conclusão de que afinal de contas Deus poderia existir, isto veio como uma bomba sobre seus seguidores ateístas, que há muito o consideravam como um de seus grandes representantes. Pior, ele parecia ter abandonado Platão por causa de Aristóteles, uma vez que foram duas das famosas “Cinco Vias” de Aquino para a existência de Deus – os argumentos do Desing e para o “Primeiro Motor” – que aparentemente encerraram a questão para Flew.

Após meses de busca espiritual, Flew concluiu que a pesquisa sobre o DNA “mostrou, em vista da complexidade quase inacreditável dos arranjos necessários para a produção de vida, que inteligência foi envolvida no processo”. Além disto, embora aceitasse a evolução darwiniana, ele sentiu que ela não podia explicar a origem da vida. “Fui convencido de que está simplesmente fora de questão a possibilidade de que a primeira matéria viva evoluiu de uma matéria morta e então se desenvolveu em uma criatura extraordinariamente complexa”, ele disse.

Flew então fez um vídeo sobre sua conversão, chamado Has Science Discovered God? [A Ciência Descobriu Deus?] e pareceu querer reparar seus erros passados: “Como as pessoas foram certamente influenciadas por mim, eu quero tentar corrigir o enorme dano que eu posso ter causado”, ele disse.

Mas os cristãos que estavam à espera de dar as boas vindas para o mais pródigo de todos os filhos pródigos ficaram decepcionados. A conversão de Flew não abraçou conceitos como o de Céu, bem e mal ou vida após a morte – e menos ainda intervenção divina nos assuntos humanos. Seu Deus era estritamente minimalista – muito diferente dos “monstros opressores orientais das religiões cristã e islâmica”, como ele gostava de chamá-los. Deus pode ter chamado sua criação à existência. Mas por que então ele se incomodaria? A esta questão, ao que parece, Flew não tinha resposta.

Antony Garrard Newton Flew nasceu em 11 de Fevereiro de 1923 e estudou na escola Kingswood, Bath. Seu pai, um ministro metodista, encorajou-o a tomar interesse sobre questões religiosas, mas ele perdeu qualquer fé religiosa que tinha aos 15 anos de idade.

Os estudos de Flew foram interrompidos pela explosão da guerra, na qual ele serviu na RAF Intelligence e posteriormente na Aeronáutica. Em 1942-43 ele estudou japonês na Escola de Estudos Orientais e Africanos de Londres.

Após a guerra ele se concentrou em Filosofia, ganhando um concurso e depois uma bolsa para o Colégio St John’s, Oxford. Ele se graduou com louvor e conquistou um prêmio da Universidade em Filosofia – o John Locke Scholarship in Mental Philosophy – em 1948. No ano seguinte ele foi indicado professor em Filosofia na Christ Church.

Como graduado, Flew se entusiasmou com a nova abordagem da análise lingüística para a Filosofia proposta por JL Austin e Gilbert Ryle e foi considerado um dos seus maiores defensores. Em 1955 ele editou Logic and Languages[Lógica e Linguagem], um influente clássico que popularizou esta nova abordagem.

Logo ele começou a abordar esta nova técnica às questões religiosas e, com Alasdair MacIntyre, editou New Essays in Philosophical Theology [Novos Ensaios em Teologia Filosófica] (1955). Em seu estudo da religião, Flew foi grandemente influenciado por David Hume, sobre quem ele se tornou uma autoridade. Seu livro Hume’s Philosophy of Belief [A Filosofia da Crença, de Hume] (1961) se tornou o estudo referencial sobre o livro Inquiry Concerning Human Understanding [Investigação Sobre o Entendimento Humano], de Hume.

O interesse de Flew era prolífico e abrangente, e ele aplicou sua abordagem da análise lingüística em estudos de psicanálise, física, ética, dentre outros tópicos.

Em Filosofia Política, Flew defendeu o liberalismo clássico contra as falácias do igualitarismo, argumentando que tanto o Socialismo como a Social Democracia são baseados em pressupostos sobre o mundo que são demonstradamente falsos.

Ele se tornou um forte crítico do filósofo de Havard John Rawls, que tentou conciliar liberdade e igualitarismo em seu aclamado pela crítica Theory of Justice [Teoria da Justiça]. Em Politics of Procrustes: Contradictions of Enforced Equality [Política de Procusto: Contradições da Igualdade Forçada] (1981), Flew rejeita a reivindicação de Rawls de que, uma vez que as pessoas não adquirem seus talentos naturais por meio do mérito moral, estes talentos estão então à disposição da “sociedade”. Qualidades morais, argumentou Flew, não são necessárias para nos permitir lucrar com nossas habilidades.

Em Sociology, Equality and Education [Sociologia, Igualdade e Educação] (1976), Flew atacou a influência maligna do igualitarismo ideológico na educação. Nos anos 1990 ele foi o autor de uma série de panfletos para o Instituto Adam Smith chamando o então governo conservador a retornar a uma seleção educacional, para aumentar a escolha dos pais, e a adotar um currículo mais desafiador para as crianças mais brilhantes.

Em 2002, se referindo à meta do governo trabalhista de conseguir mais filhos da classe trabalhadora na educação superior, ele observou que em 1969, quando o sistema de educação em gramática ainda funcionava, o ministro da educação Shirley Williams orgulhosamente alardeou que “cerca de 26% da população universitária e 35% dos estudantes de todas as instituições de ensino superior são de origem da classe trabalhadora”. Isto, ele apontou, era quase o dobro do resultado do segundo melhor país europeu, Suécia.

De Oxford, Flew começou a ensinar Filosofia Moral na Universidade de Aberdeeny antes de ser apontado Professor de Filosofia na Universidade de Keele em 1954. Em 1973 ele foi transferido para a Reading Universit, onde ele permaneceu até reforma de 1982. Posteriormente, ele trabalhou meio tempo por três anos como Professor de Filosofia na Universidade de York, Toronto.

Flew escreveu 23 livros de Filosofia, incluindo God and Philosophy [Deus e Filosofia] (1966), Evolutionary Ethics [Ética Evolucionista] (1967), An Introduction to Western Philosophy [Uma Introdução à Filosofia Ocidental] (1971), The Presumption of Atheism [A Pressuposição do Ateísmo] (1976), A Rational Animal [Um Animal Racional] (1978),Darwinian Evolution [Evolução Darwiniana] (1984), Atheistic Humanism [Humanismo Ateísta] (1993) e Philosophical Essays of Antony Flew [Ensaios Filosóficos de Antony Flew] (1997).

A mudança de visão de Flew sobre a existência de Deus foi ainda mais notável dado o grande volume de seus escritos na causa ateísta e também sua negação veemente em relação aos rumores circulados na internet em 2001 de que ele havia renunciado ao ateísmo. Sua resposta na época foi entitulada Sorry To Disappoint, but I’m Still an Atheist! [Desculpe Por Desapontá-los, Mas Eu Ainda Sou Ateu]. Em 2007, entretanto, ele publicou There is a God: How the World’s Most Notorious Atheist Changed his Mind [Um ateu garante: Deus Existe, lançado no Brasil pela Editora Ediouro].

Por várias vezes ele foi vice-presidente da Rationalist Press Association, presidente da Voluntary Euthanasia Society e membro da Academy of Humanism. Em acréscimo a estes postos acadêmicos permanentes, ele ocupou várias cadeiras como professor visitante em universidades ao redor do mundo.

Antony Flew se casou em 1952 com Annis Harty. E eles tiveram duas filhas.


Fonte: Telegraph via Apologia