quinta-feira, 1 de abril de 2010

No fim dos tempos, a fé verdadeira será raríssima

Abaixo um texto traduzido por meu irmão e amigo Marcos Vasconcelos. Não deixem de visitar o blog Mens Reformata. É um blog voltado para tradução de textos devocionais, especialmente de autores protestantes reformados. Marcos é o tradutor das Orações e Devocionais de João Calvino que publico aqui nos fins de semana. O que se segue é um texto que reflete o pensamento de alguém que consegue ver o tempo além das aparências. Atentem para a data do texto do J. C. Ryle. Se ele já percebia a decadência espiritual e moral da sociedade naquela época, o que diremos da época de agora?
_____________________

Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça. Contudo, quando vier o Filho do Homem, achará, porventura, fé na terra? – Lucas 18.8
O Senhor Jesus mostra isso ao fazer pergunta mui solene: “quando vier o Filho do Homem, achará, porventura, fé na terra?”.

A indagação que temos diante de nós é deveras vexatória e mostra a inutilidade de esperarmos que o mundo inteiro esteja convertido antes que Cristo volte. Mostra a tolice de supormos que todas as pessoas são “boas” e que, apesar de diferirem em questões externas, todas estão certas no coração, e vão todas para o céu. Essas noções não encontram apoio no texto diante de nós.

Afinal, de que adianta ignorar os fatos que estão diante dos nossos olhos: fatos no mundo, fatos nas igrejas, fatos nas congregações a que pertencemos, fatos lado a lado das nossas portas e lares? Onde a fé deve ser vista?

Quantos ao nosso redor creem realmente naquilo que está na Bíblia? Quantos vivem como se cressem que Cristo morreu por eles e que há um juízo, um céu é um inferno? Essas são perguntas dolorosas e graves. Mas exigem e merecem uma resposta.

E nós mesmos, temos fé? Se temos, louvemos a Deus por isso. É uma grande bênção crer na Bíblia inteira. É motivo para ações de graças diárias, se temos consciência dos nossos pecados e confiamos realmente em Jesus. Podemos ser pecadores débeis, frágeis, imperfeitos, insuficientes; mas cremos de fato? Essa é a grande questão. Se crermos, seremos salvos. Quem não crê, porém, não verá a vida e morrerá em seus pecados (João 3.36; 8.24).

Autor: J. C. Ryle (1816–1900)
Fonte: Day by day with J. C. Ryle, org. Eric Russell, Christian Focus Pub., p.100

Um comentário:

Marcos Vasconcelos disse...

Gaspar, obrigado pela divulgação e pelo crédito pessoal. Que Deus o abençoe. Soli Deo Gloria!!!