terça-feira, 6 de julho de 2010

Computador decifra idioma extinto que desafiava linguistas

SÃO PAULO - No livro 'Lost Languages', de 2002, o então editor do suplemento de educação superior do jornal inglês The Times, Andrew Robinson, afirmou que o trabalho arqueológico de decifrar línguas extintas exige uma mistura de lógica e intuição que os computadores são incapazes de possuir.
Reprodução
Ugarítico era uma língua semítica em alfabeto cuneiforme

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, tentam mostrar que Robinson estava errado.

Em estudo que será apresentado esta semana na reunião anual da Associação para Linguística Computacional, em Uppsala, na Suécia, o grupo mostrará um novo programa de computador que foi capaz de decifrar grande parte do extinto idioma ugarítico, descoberto a partir de escritos encontrados na cidade perdida de Ugarit, na Síria, cujas ruínas foram achadas em 1928.

O ugarítico era uma língua semítica escrita em alfabeto cuneiforme com 27 consoantes e três vogais. Os escritos encontrados foram importantes para estudiosos do Velho Testamento, por auxiliar a esclarecer textos hebraicos e revelar como o judaísmo utilizava frases comuns, expressões literárias e frases empregadas pelas culturas gentis que o cercavam.

O sistema, além de ajudar a decifrar línguas antigas que continuam resistindo aos esforços de especialistas, poderá expandir o número de idiomas que sistemas automatizados de tradução, como o Google Tradutor, são capazes de manejar.

Para simular a intuição que falta aos computadores, Regina Barzilay, do Laboratório de Inteligência Artificial e Ciência da Computação do MIT, e colegas fizeram várias proposições. A primeira é que a língua a ser decifrada pelo computador estaria próxima de outra. Para isso, foi escolhido o hebraico.

Outra afirmativa é que haveria um modo sistemático de mapear o alfabeto de uma língua com relação ao alfabeto de outra, e que os símbolos relacionados deveriam ocorrer com frequências semelhantes nos dois idiomas.

O sistema também fez asserções no nível semântico, no sentido de que as línguas relacionadas teriam pelo menos alguns cognatos, isto é, palavras com raízes comuns.

Por meio de um modelo probabilístico usado em pesquisas em inteligência artificial, os pesquisadores determinaram nos mapeamentos os radicais semelhantes e conjuntos de sufixos e prefixos consistentes, entre outras relações entre palavras das duas línguas.

O ugarítico já havia sido decifrado. Se não tivesse sido, os autores do estudo não teriam como avaliar a performance do sistema que desenvolveram.

“O sistema repetiu as análises dos dados resultantes centenas de vezes. E, a cada vez, os acertos eram mais frequentes, pois estávamos chegando mais perto de uma solução consistente. Finalmente, chegamos a um ponto no qual a alteração do mapeamento das similaridades não aumentava mais a consistência dos resultados”, disse outro autor do estudo, Ben Snyder, também do MIT.

Das 30 letras do alfabeto extinto, o sistema foi capaz de mapear corretamente 29 com seus correspondentes em hebraico. Cerca de um terço das palavras em ugarítico tem cognato em hebraico e, desse total, o sistema identificou corretamente 60%.

“Das palavras identificadas incorretamente, na maior parte das vezes o erro foi por apenas uma palavra. Ou seja, o sistema deu palpites bem razoáveis”, disse Snyder.

Apesar dos índices de acerto, os pesquisadores destacam que o sistema não é suficientemente bem resolvido para substituir os tradutores humanos. Mas, segundo eles, é uma ferramenta poderosa cujo desenvolvimento poderá ajudar no processo de decifração de línguas desconhecidas e de tradução mais eficiente dos idiomas conhecidos.

Fonte: Estadão Online

2 comentários:

Hugo Hoffmann disse...

Olá Prof. Gaspar,

Agradeço pelo comentário!
Concordo com suas observações.

Sobre a participação da jornalista e os seus comentários, teoricamente, não podemos cobrar o conhecimento de uma área que ela não tem como formação de base. Apesar de que com uma boa leitura não é necessário nem faculdade alguma para se ter um bom entendimento do assunto.


Gosto e admiro muito o Dr. Nahor Neves, tanto como cientista, tanto como cristão que é, todavia, achei desequilibrado um debate sobre CRIACIONISMO e EVOLUCIONISMO de um BIÓLOGO com um GEÓLOGO. Não por isso, limitando o conhecimento do Dr. Nahor, apenas para que os "vocabulários" fossem mais pareados.

Eu sugeriria o nome da Dra. Marcia Oliveira de Paula, da área de Microbiologia, para discutir o Evolucionismo com o Zoólogo Evolucionista.

Gostei da clareza que o Dr Nahor colocou sobre os conceitos factuais e metafísicos que cada uma possui.

Um grande abraço,

Heitor Alves disse...

Caro pastor Gaspar.

O Blog dos Eleitos indicou seu blog como um dos melhores blogs cristãos calvinistas.

Abraços.